PROGRAMA YÔGA EM FÉRIAS | JULHO de 2016

05-08-2016 17:43
PROGRAMA YÔGA EM FÉRIAS | JULHO de 2016
Escrever sobre o Yôga em férias é sentir em primeira instância o âmago do princípio tântrico "O que está aqui está em toda a parte, o que não está aqui não está em parte nenhuma". 
Dizia Fernando Pessoa "Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido." E assim o é à medida que percorremos o caminho, à medida que os sentidos vão despertando - um por um - à medida que o integramos de uma forma tão perfeita naquilo que somos que deixamos de perceber quando começa ou termina a prática de SwáSthya Yôga. Precisamente porque não começa nem termina. Precisamente porque vive integrada em tudo o que vibra, em tudo o que somos, no modo como nos relacionamos com o mundo que nos rodeia numa espécie de trama que a todos nos liga e faz da força gregária, o instrumento perfeito para a perpetuação da sabedoria ancestral que o SwáSthya Yôga encerra. E se é certo que onde há forças de agregação, há forças de desagregação, à medida que vamos progredindo no caminho, uma consciência maior fortalece a própria egrégora que se auto-supera a si mesma como organismo pleno de vida que é. Não se traduz, mas sente-se no modo como cresce, na expansão da sua própria conscência, no desenvolvimento de túria (consciência testemunho), na confiança no Mestre que escolhemos no coração: o Mestre João Camacho. E é tão bonito observar o nosso percurso em todas as suas dimensões, como observar cada um dos nossos companheiros, nas suas peculariedades a crescer, a conquistar etapas, a persistir/progredir no caminho mesmo com todos os debates internos/externos que o encerra. Diria mesmo que é de uma beleza extraordinária. É o que é, e a beleza reside nisso mesmo.
E tendo já dito tudo, pergunto o que faz cada um de nós, que inserido no mundo tem múltiplos afazeres, participar num programa tão rico, tão intenso, às vezes com parcas horas de sono, outras entre trabalhos e/ou outros compromissos, quando podíamos ficar em casa a descansar ou a fazer qualquer outra coisa. Quando podíamos ficar-nos por ler livros históricos, ou pela prática na nossa Escola das aulas que aí são ministradas e, que por si só, já nos fortalecem em todos os campos do que somos. Pela mesma razão que abraçamos com tudo o que em nós habita esta Filosofia prática que é o SwáSthya Yôga. Porque estar junto do Mestre João Camacho é de uma preciosa graça pelo que todas as oportunidades são boas. Porque temos prazer em estar juntos. E nisto não há qualquer misticismo nem mistério. Nem pode ser compreendido sem ser vivenciado, pelo que fica apenas o convite para todos os que queiram experienciar e tirar as suas conclusões por si mesmos. Seja fazer uma aula, seja em aprofundar mais a vivência do SwáSthya Yôga participando em todos os eventos e cursos que vão ocorrendo durante o ano e/ou frequentando o Curso de Formação de Instrutores de Yôga. Em primeira mão, ouvirão da boca do Mestre o axioma número 1: "Não acredite".
Para terminar, fica um sentido obrigado ao Mestre João Camanho e à Professora Anabela Duarte e Silva pela organização deste e de todos os Yôga em Férias em que tive oportunidade de participar. Pela organização de todos os eventos que anualmente nos proporcionam e claro, pela materialização do nosso Espaço Cultural Ashram Pashupati, onde temos a oportunidade única de vivenciar a Nossa Cultura.
Um abraço, SwáSthya,
Paula Santana, Graduada
Discípula de João Camacho, Yôgachárya