Curso Kriyá, a alquimia fisiologia

10-05-2018 17:29

Curso Kriyá, a alquimia fisiologia

Em prelúdio para o lançamento do livro Kriyá, a Alquimia Fisiologia do meu querido Mestre João Camacho, realizou-se neste ensolarado sábado mais um curso de Yôga, sobre kriyá, ministrado pelo próprio, pois tal como ensina Shrí DeRose estes devem ser aprendidos directamente com um instrutor formado. Nada melhor do que pelo próprio Mestre.

Kriyá significa actividade que visa uma purificação externa e interna do organismo e dos processos fisiológicos, optimizando a relação entre as estruturas e as funções do organismo humano, e deste modo contribuindo para a transmutação do corpo do praticante. A par das restantes técnicas do Yôga antigo, no sádhana tântrico, o kriyá proporciona um aumento energético e é constituído por um vasto conjunto de propostas para desencadear no praticante uma limpeza natural e regular. A ciência yôgi dá tanta importância aos processos de limpeza quanto ao ásana ou pránáyáma. Sem a limpeza regular do organismo, não se pode obter o máximo benefício das práticas de Yôga. Sem purificação do corpo, ninguém estará completamente pronto para as práticas superiores do Yôga pois os efeitos do shat karma – as seis acções, podem ser resumidos em uma palavra - purificação. Quando os diferentes sistemas do organismo estão purificados, o resultado geral é que a energia pode fluir livremente pelo corpo. A capacidade de trabalhar, pensar, digerir, saborear, sentir, experimentar, etc., aumenta e amplia-se a consciência.

O Mestre João Camacho explica que a primeira regra no que concerne ao kriyá é não sujar, daí optarmos por não consumir carnes, álcool ou drogas de qualquer espécie. E que, embora não sendo um shat karma, o jejum auxilia nesta purificação física. O Mestre transmitiu-nos a técnica do jejum regular, e outras formas de através da alimentação realizarmos períodos de limpeza do organismo. Depois foi ministrando teoria sobre as várias técnicas de shat karma, minuciosamente e cuidadosamente para as novas alunas que tiveram a sua estreia neste curso, e que são muito bem-vindas.

Seguidamente, uma parte prática, sempre bem recebida por todos, onde aprendemos a preparar o dentífrico Shivananda, com azeite e sal e mais duas variantes deste para situações de inflamação da mucosa oral. Depois preparamos a nossa própria água salgada, e munidos de lôtá realizamos jála nêti, a limpeza das fossas nasais. Embora o efeito de ardor se tenha manifestado fortemente nas minhas mucosas, a respiração seguinte a esta limpeza era idêntica em ambas as fossas nasais, o ar entrava livremente e lembro-me de perceber claramente aromas no ar. Depois experimentamos ainda a purificação pelo fogo, no caso, pela exposição ao sol dos dentes e da língua. Dando seguimento, depois aprendemos outras técnicas de limpeza do aparelho digestivo com dhauti e massajem abdominal com nauli, exemplarmente demonstrado pelo Prof. Luís Lázaro e que requer um controlo e consciência da musculatura abdominal que só se atinge com muita prática.

No interior o nosso querido Mestre, explicou como se deve realizar o shank prakshálana. Esta técnica é aplicada para a desintoxicação e purificação do aparelho excretor. Consiste numa lavagem intestinal intensiva, para a melhoria da saúde como um todo. Como requer uso do nauli, muito praticantes que ainda não possuem domínio do mesmo, podem substituir o efeito deste por um conjunto de ásana, que cada um de nós executou afim de sentirmos a contracção que cada um dos ásana exerce sobre o piloro, válvula que controla a passagem entre o estômago e o duodeno, antes do intestino delgado. A cada flexão ou torção, uma porção de água entra no aparelho intestinal. E depois, a pressão ritmada pela repetição dos exercícios, actua sobre os intestinos fazendo a água progredir ao longo dos mesmos. Por fim, abordamos as técnicas de trátaka, exercícios de fixação do olhar para limpar e tonificar os músculos e o nervo óptico. O trátaka além de beneficiar a saúde dos olhos, aumenta a força de vontade e estimula o ajña chakra. Esse efeito é potenciado quando se faz Shiva-Shakti dhristi, tal como demonstrado pelo querido Mestre e pela Prof.ª Anabela.

E com este gostinho na boca para o lançamento destes ensinamentos em livro, apurou-se o paladar com o tradicional lanche que acompanha todos os nossos eventos. Mais um grande curso de imersão no Yôga antigo. Obrigada Querido Mestre.

Ana Marisa Rebotim, Instrutora estagiária e discípula do Mestre João Camacho

09 de Maio de 2018