ALIMENTAÇÃO BIOLÓGICA, CURSO DE DIA 04/03/2017

07-03-2017 15:55

ALIMENTAÇÃO BIOLÓGICA, CURSO DE DIA 04/03/2017
Estivemos reunidos no Ashram Pashupati neste nublado sábado para mais um momento de estudo, desta feita sobre alimentação biológica. Lá dentro uma palete de cores e texturas vibravam sobre a mesa da cozinha e o ambiente em nada se encontrava sombrio, ao invés, as cores, os cheiros, os sabores e as conversas fluíam livremente pelo espaço fresco e alegre. E nesta envolvência fantástica o prelector deste curso, o nosso querido Mestre João Camacho, inicia o seu magistério esclarecendo o que é a alimentação biológica.
Este é um dos três grandes factores de manutenção da vida, da juventude e da longevidade, a par da higiene mental e do exercício biológico, constituindo o que no Yôga chamamos de tripé biológico. Mestre DeRose refere que em “qualquer atividade de alta performance é exigido um tipo de alimentação que seja compatível com a natureza dos seus exercícios”. E neste sentido há muito que se concluiu que o modelo de consumo alimentar mais adequado à prática de Yôga é o Vegetalismo (lacto-vegetarismo), aceitando também o vegetarianismo (ovo-lácteo vegetarianismo) e o vegetarismo (vegetarianismo puro), ou seja, não se ingerem carnes de nenhuma natureza.
As razões para se optar por este sistema alimentar podem ser diversas, e embora a crescente quantidade e acessibilidade de informação disponível, ainda nos deparamos com enormes preocupações infundadas e preconceituosas, baseadas em informações sem rigor científico quando adoptamos este padrão alimentar.
De nada serve entrar em discussões, para os praticantes de SwáSthya Yôga, a nossa motivação é sempre técnica. De inicio pode requerer tempo de adaptação para assimilar alguns princípios alimentares e para apreender um novo modo de idealizar e confeccionar as refeições, mas com conhecimento e treino na confecção rapidamente descobrimos a exuberância dos paladares e das cores nos pratos que preparamos bem como as inúmeras variedades de alimentos vegetais, condimentos ou ervas disponíveis.
É claro que há recomendações e princípios que se devem saber, por exemplo para aumentar a absorção de ferro deve-se ingerir Vitamina C na mesma refeição, ou que não devemos abusar do consumo de sal pois diminui a elasticidade, ou que não se devem consumir ingredientes processados pois fornecem maiores quantidades de gordura e de sal. Mas desde que se diversifique e se coma com frugalidade, a alimentação biológica alia à variedade e ao sabor um imenso prazer, pois uma atitude mental sã, perante a comida que elaboramos e perante os alimentos que ingerimos aumenta o prazer que retiramos deste momento, que não é apenas uma satisfação de uma necessidade básica. Não estamos só a fornecer alimento ao nosso corpo físico, estamos a capacitar o nosso corpo energético de prána, de energia vital, pois um dos principais objetivos da alimentação biológica é propiciar uma intensa purificação corporal afim de que o superávit de energia que a prática proporciona possa ser perfeitamente assimilado pelo nosso corpo afirma o Mestre DeRose e a fornecer uma boa dose de conforto ao nosso corpo emocional, pois a nossa relação com a comida é primitiva e profunda.
E se tais argumentos não bastassem por si, o nosso querido Mestre João Camacho propicionou-nos um agradavel fim de tarde na cozinha, onde por entre tachos e refogados, pimentos vermelhos e sementes de cominhos, folhas de hortelã e couve em juliana, fios de azeite dourado e pós de perlimpimpim de especiarias orientais, preparamos e degustamos um absolutamente saboroso rancho vegetariano e legumes no forno. As sobremesas tambem não faltam nestes nossos encontros, adoçando ainda mais estes momentos. Quem participa sabe como são intensos e ricos…tal como um prato vegetariano! Muito Obrigado Querido Mestre João Camacho, que continue a ensinar com o mesmo rigor e dedicação e a fazer crescer a água na boca. Muito grata.
Ana Marisa Rebotim, chêla, Lisboa 05/03/2017